Em 2012, Gabriela Isturiz fundou a iTimekeep, uma empresa que oferece um pedido de gestão de prazos para advogados. Nos sete anos seguintes, a empresa cresceu com investimento próprio, sem captar recursos de novos investidores. De três funcionários, a empresa passou a ter 45, quando Gabriela decidiu contratar um consultor para encontrar um investidor para a iTimekeep. Dado o crescimento e o sucesso da empresa, Gabriela esperava que o processo obtivesse uma avaliação de 5 a 7 vezes o faturamento anual. Mas conseguiu mais pela venda da empresa.

 

Juntamente com as propostas de investimento, Gabriela também recebeu 12 ofertas de fusão e aquisição da iTimekeep, as quais ela habilmente reduziu para uma lista de quatro e obteve uma oferta de aquisição em 40% da empresa pela empresa Aderant.

 

Ao planejar a forma de emergir dessa pandemia, vale a pena considerar alguns dos pilares que tornaram a empresa de Gabriela tão valiosa.

 

Como as finanças e a taxa de crescimento influenciam na venda da empresa

 

A iTimekeep desfrutou de uma margem EBITDA de mais 25% – quase inédito em uma empresa norte-americana de software como serviço (SaaS) em rápido crescimento.

 

É importante lembrar que os compradores se preocupam não somente com os resultados presentes, mas com o futuro. Por isso, a taxa de crescimento desempenha um papel significativo na forma como eles valorizarão uma empresa. Na época em que foi adquirida, a iTimekeep estava crescendo 50% ano após ano, motivo pelo qual eles receberam mais de uma dúzia de ofertas de aquisição/investimento.

 

Um dos pontos que favoreceu o impulsionamento do valor da empresa foi a regra dos 40. De acordo com ela, o percentual de crescimento anual do negócio somado ao percentual do EBITDA (lucro bruto) deve ser no mínimo 40%.

 

% crescimento anual + % EBITDA > 40%

 

A importância da receita recorrente

 

A razão mais significativa pela qual a iTimekeep cresceu tão rapidamente foi conseguirem reter 98% de sua renda de um ano para o outro e 95% de seus clientes. Em startups de software como serviço (SaaS) é preciso encontrar o número mágico, que o gasto com marketing e vendas comparado à nova receita recorrente.

 

Portanto, em negócios de SaaS, o valuation ou avaliação da empresa é baseada na receita recorrente anual.

 

As barreiras de entrada e o controle do mercado

 

Em vez de oferecer um software genérico de gestão de prazos, a iTimekeep se concentrou em gestão de prazos para o nicho específico de advogados. A especialização a um segmento permitiu que a iTimekeep construísse uma plataforma que se integrasse a 32 das plataformas mais significativas que os advogados utilizam nos Estados Unidos, o que se acabou se tornando uma barreira a novos entrantes, dificultando a competição contra a iTimekeep.

 

Como fazer com que o consultor busque o melhor preço na hora da venda da empresa

 

Quando se vende uma casa, por exemplo, o ideal é nunca informar ao seu corretor imobiliário qual é o valor mínimo que aceitará, pois ele pode usar essa informação contra você. Um agente poderia cochichar no ouvido do interessado para que ele ofereça exatamente o mínimo que você está disposto a receber pelo imóvel, visando garantir um bom negócio.

 

No caso da iTimekeep, a empresa estabeleceu um piso mínimo para pagamento dos consultores envolvidos, acrescido de uma parcela significativa do percentual sobre o preço de venda. Assim, os consultores se sentiram motivados a valorizar a negociação e maximizar o preço de venda da empresa.

 

Portanto, há uma taxa fixa de sucesso e, se atingem um determinado limite no valor, obtêm uma porcentagem maior.

 

A grande diferença entre uma aquisição financeira e estratégica

 

Há uma grande diferença entre uma aquisição financeira e uma aquisição estratégica, o que pode mudar completamente o perfil dos investidores que a empresa buscará.

 

Um investidor estratégico é aquele que busca atuar nas decisões da empresa, pode alterar o negócio ou aproveitar a sinergia com uma outra empresa. Nesse caso, o envolvimento do vendedor costuma ser limitado após a compra. Isso significando que o antigo proprietário não iria mais administrar a empresa, mas poderia ser um consultor, por exemplo.

 

O interesse do investidor financeiro é focado no retorno do seu investimento, sem que tenha que administrá-lo. Ele geralmente compra uma parte da empresa, mas mantém a porcentagem majoritária do antigo proprietário, deixando a ele o poder decisório e estratégico. Nesse caso, o antigo dono geralmente continuaria administrando a empresa.

 

Gabriela avaliou mais de uma dúzia de ofertas de aquisição e investimento por ter contado com o auxílio de profissionais para ajudá-la a pensar no que queria. Se você está pensando em vender sua empresa e gostaria de ter uma segunda opinião sobre sua estratégia para sair dessa crise, acesse o meuBiZ. Nossa equipe de profissionais pode ajudá-lo a vender sua empresa e fornecer informações importantes sobre o processo de venda.

 


Veja mais:

Site de compra e venda de empresas favorece o empreendedorismo

Fusão de empresas: o que é e como funciona

Quero comprar uma empresa: como fazer?

Depósito de gás é um bom negócio para empreender?